quinta-feira, 17 de abril de 2008

TERCEIRAS PALAVRAS




Dois amigos me desafiaram, tempos atrás, a ler com mais carinho e atenção aquele poema da pedra, escrito por Drummond. Embora eu admire muitos dos seus poemas, este, em especial, pouco me dizia. Quando souberam que eu não gostava tanto assim do poema, me pediram que eu refletisse melhor, e, bom... tenho de me curvar aos dois e admitir que até então eu estava cego. O resultado da minha reflexão, publico aqui, sem medo de ser feliz; pois com isso, Márcio e Ana Maria, pretendo me redimir e pagar-lhes o desafio assim, em público.

Na sombra da idade, o homem mais velho recorre à bengala para lhe der apoio. Se tem fome, sabe o que fazer; vai até a padaria e compra um pão, trazendo-o numa mão, a bengala na outra. Se tem sede, busca água, que traz numa mão, e a bengala na outra. Mas, se tem fome e sede, não pode buscar pão e água ao mesmo tempo... A necessidade, para ser sanada, precisa de alguma estratégia...

O obstáculo dói. E surge em nossas vidas quando não há mais segurança, ou seja, quando não conseguimos mais produzir resultados utilizando os recursos de que já dispomos. O tempo da mudança chega. A mudança se faz necessária. E, é atravessando os obstáculos que poderemos realizá-las.

Não utilizar as pedras em nosso próprio proveito, é desprezar o valoroso propósito do obstáculo. Quando tropeçamos na pedra, somos levados à frente, ou seja, se por um lado nenhum obstáculo nos impede de voltar, por outro a mesma pedra nos desafia a seguir. A decisão é pessoal, por isso deve-se ter cuidado, pois ver a pedra no outro é não dar conta de si. As dificuldades que se nos apresentam devem ser encarados como meios para que adotemos outra postura de vida. A crise se mistura com a necessidade de mudança, mas, aceitando o obstáculo e enfrentando-o como condição essencial da existência, forma um novo estado, diferente de tudo o que estávamos acostumados a ver e sentir.

A acomodação provoca falência. A transitoriedade da vida material só compensa quando nos esforçamos pela construção das virtudes. É claro que vez ou outra, fracassaremos, o que não deixa de ter um lado positivo. Afinal, ter uma pedra no sapato incomoda, mas incomodaria muito mais ter um sapato de pedra. O importante é a forma de encarar o problema, a pedra no caminho. Esquecê-la para prosseguir sem traumas; e lembrar-se dela, para não cometer os mesmos erros passados- aí está o ponto positivo do fracasso.

Em outras palavras, é um como um exercício de oscilação entre o esquecimento e a lembrança, para que, cada vez melhor, pensemos e ajamos diante do obstáculo. Muitas vezes, o problema nem é ver a pedra, mas deixar de vê-la, porque a sucessão de pequenas falhas cava uma cova. Por isso, a avaliação constante é fundamental para quem sonha e quer alcançar objetivos.

Avaliações constantes nos ensinam a prever acontecimentos que possam afetar os esforços na busca pelos nossos objetivos. Assim, tomamos decisões antecipadamente, sem improvisos, sem transtornos ou desperdícios, definindo claramente os meios e recursos para atingir os objetivos. A propórito, o homem velho trouxe numa das mãos uma bengala, e, na outra, água e pão dentro de uma cesta.

A necessidade do obstáculo parece ser constante porque sonhamos. Mesmo que perseveremos, as pedras aparecerão no meio do caminho. Não importa qual pedra seja. Colocada no lugar certo, sempre edificará alguma coisa. para o bom combatente, parafraseando Paulo de Tarso, não existe dor.

"Nunca me esquecerei desse acontecimento, na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho tinha uma pedra. Carlos Drummond de Andrade.

8 comentários:

Andréa Motta disse...

Boa noite! Vim conhecer seu blog e convidá-lo a participar da blogagem coletiva COISAS DO BRASIL, em 16 de maio. A idéia é cada um escrever, em seu blog, sobre aquilo que represente a cidade brasileira onde mora ou nasceu, a fim de que, juntos, mostremos a riqueza cultural do nosso país. Estou convidando a todos, até mesmo os brasileiros que residem no exterior; o importante é mostrarmos que o Brasil é um misto de culturas e saberes. Conto com a sua adesão!

Suave Toque disse...

Olá Ivan, obrigada pela visitinha.
Adorei esse texto e vou aproveita-lo para repensar um pouco sobre algumas atitudes.

Um grande beijo de carinho

Elcia Belluci

Suave Toque disse...

"O que é ser um poeta?
Bem, considerando que a alma é sua companheira
Fiel, e bem amiga,
E ter a mente longe de intrigas,
Sempre dentro dela a verdejar
Para poder assim, se expressar,
Traduzo então, dentro do meu interior
Carregado sempre de amor,
Que ser poeta é sempre versejar.
Tanto faz ser um poeta ou poetisa,
Basta apenas vestir a camisa
E botar a mente a funcionar
Fazendo poemas sobre qualquer tema
Partindo, assim, desse lema
Para aos outros homenagear."

Um feliz final de semana.

Beijo de carinho

Elcia Belluci

Bia disse...

Confesso, amigo, ter sido essa a mais completa reflexão sobre esse poema do Drummond que tantas questões levantou/levanta desde que foi criado. Nada a acrescentar, apenas ler, reler, assenhorar-se de tuas palavras e digeri-las no nosso próprio entendimento do que é encontrar uma pedra no caminho...

Vou ao teu outro espaço!

Ninha disse...

Pois é....acho q todos os dias Deus coloca diversas pedras no caminho da gente, para q possamos supera-las e mostram o tanto q somos capazes de fazer isso diariamente...felizmente, muitas vezes essas pedras são ocultas..e ler esse poema, nos faz refletir um pouco sobre isso...
bom final de semana
beijos

Claudia Perotti disse...

A magia da vida está justamente nisso... qual é a estratégia que usaremos para transpor cada pedra que encontramos em nosso caminho.

Beijinhossssssss

Thiago disse...

Interessante reflexão. obrigado pela partilha. um abraço de todos os meus eus

Convido-te a conhecer a história de A. :-)

Å®t Øf £övë disse...

Ivan,
É superando os obstáculos que a vida nos vai colocando à frente, de podemos caminhar em direcção à nossa felicidade plena.
Abraço.